Na Boca do Povo - Seu Telejornal Online
MENU

AMANHÃ TEM DIA “D” DE VACINAÇÃO CONTRA POLIOMIELITE E SARAMPO

AMANHÃ TEM DIA “D” DE VACINAÇÃO CONTRA POLIOMIELITE E SARAMPO

A Secretaria Municipal de Saúde promove neste sábado (18) o Dia “D” de vacinação contra a Poliomielite e o Sarampo. Todas as 28 Unidades Básicas de Saúde (UBS) estarão abertas das 8h às 17 horas para ofertar as vacinas às crianças de 12 meses a menores de 5 anos (4 anos, 11 meses e 29 dias).

A campanha de vacinação teve inicio no dia 6 e termina em 31 de agosto. A meta é imunizar ao menos 95% do público alvo, que em Foz do Iguaçu corresponde a 15.722 crianças. Até o momento, foram vacinadas 3.480 crianças contra a Poliomielite (22%) e 3.454 contra o sarampo (22%).

Em Foz do Iguaçu a cobertura vacinal para poliomielite não atinge a meta recomendada pelo Ministério da Saúde desde 2016, quando a cobertura alcançada foi de apenas 77%. No ano passado, a cobertura foi de 71%. A poliomielite está erradicada do Paraná desde 1989 e no Brasil, desde 1990.

O esquema vacinal do Calendário Nacional de Vacinação é composto por três doses da vacina inativada poliomielite (VIP), administradas aos dois, quatro e seis meses, sendo necessários 2 reforços com a vacina oral poliomielite (VOP) aos 15 meses e aos 4 anos de idade.

“A campanha é uma oportunidade adicional para captar indivíduos não vacinados ou aqueles que não obtiveram resposta imunológica satisfatória a vacinação, minimizando o risco de adoecimento e, consequentemente, reduzindo ou eliminando os bolsões de não vacinados, garantindo a manutenção da eliminação da poliomielite, do sarampo e da rubéola no país”, explica a coordenadora do programa de Imunização do município, Adriana Izuka.

O Paraná não registra casos de sarampo desde 2000. No entanto, algumas cidades como Foz do Iguaçu, não atingem a meta recomendada pelo MS. Em 2016 a cobertura contra sarampo foi de 85% (1ª dose) e 78% (2ª dose). Em 2017 a cobertura alcançada foi 67% (1ª dose) e 61% (2ª dose).

Preocupação
A baixa cobertura vacinal no País em crianças é um problema que preocupa por conta do risco de reintrodução de doenças que já eram consideradas eliminadas, como o sarampo e a poliomielite.

Em 1994, o País recebeu da OPAS (Organização Pan-Americana da Saúde) a Certificação de Área Livre de Circulação do Poliovírus Selvagem. Por essa razão, segundo o Ministério da Saúde, é fundamental a manutenção das elevadas coberturas vacinais, para evitar a reintrodução do vírus da poliomielite no País. Apesar de erradicada desde 1990, a doença ainda é endêmica em três países – Nigéria, Afeganistão e Paquistão. A vacinação é a principal e melhor forma para se proteger contra o sarampo. A imunização pode ser feita na rede publica até os 49 anos.

Nesta campanha os pais e responsáveis são atores sociais importantes no processo de manutenção da eliminação dessas doenças e deve comparecer aos serviços de vacinação com suas crianças, levando a caderneta de vacinação para avaliação e registro.

X